sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Uma genealogia aos 02 de Novembro




Dia de Finados... 

Dia para a gente pensar nos outros ramos da nossa linhagem (uns que sem ser de sangue, são de coração), todos que se foram e se fazem representados nas linhas que se escreve, nas gargalhadas que se dá e até nos silêncios que se faz...
Sou um pouco de todos eles: o silêncio, agonia e graça de Sebastião de Lídia (Avô materno), as gargalhadas, a força e a inteligência de Francisca Maria da Conceição (Avó materna), a inteligência, visão e carinho de Joaquim Lopes (não o conheci - Avô paterno), a serenidade e companheirismo de Francisca Fernandes Barros (praticamente não a conheci - Avó paterna), a vida desregrada e o apego à solidão de Raimundo Fernandes Barros (tio paterno), os medos e as boas ações de Antônio Lopes (tio paterno), a inocência e a bondade de Inácio Dias Maia (primo), a pureza e a bondade dos Damiões (primos) as manias de José de Lídia e Raimundo de Lídia (tios maternos de segundo graus), os vícios e qualidades de Adauto Lopes (tio paterno), a transcendência de Albaniza (tia paterna), a pureza, a bondade e a fé de Dona Raimunda (Avó), o cuidado, o afeto e as brincadeiras de Dona Chiquinha (Avó), a pureza e o carinho de Expedito Rocha (tio), a poesia de João de Lídia (tio materno de segundo grau)...